Prisma Literário: Resenha: 3096 Dias - Natascha Kampusch

Resenha: 3096 Dias - Natascha Kampusch

Sinopse: Natascha Kampusch sofreu o destino mais terrível que poderia ocorrer a uma criança: em 2 de março de 1998, aos 10 anos, foi sequestrada a caminho da escola. O sequestrador - o engenheiro de telecomunicações Wolfgang Priklopil, a manteve prisioneira em um cativeiro no porão durante 3.096 dias. Nesse período, ela foi submetida a todo tipo de abuso físico e psicológico e precisou encontrar forças dentro de si para não se entregar ao desespero.
















Natascha Kampusch nos narra sua história em 3096 Dias. Aos 10 anos, Natascha era uma criança que levava uma vida já um tanto frustrada por conta de alguns problemas de família, e na mesma época que os noticiários só falavam de sequestros e estupros de crianças, Natascha é surpreendida ao ser jogada numa van por um estranho e só consegue vir a escapar oito anos depois.

Eu já conhecia a história da autora por conta do filme que vi, e por pesquisar bastante sobre o caso, que confesso, me impressionou muito. Logo fiquei muito curiosa para saber em detalhes, e ainda mais, do ponto de vista da própria Natascha. Esse tipo de assunto sempre chama muito a minha atenção, gosto de entender como a vitima lidou com tudo isso e até mesmo os comportamentos dos sequestradores/criminosos.

Temos acesso a algumas partes da infância de Natascha, e principalmente aos longos anos em que foi trancada em um quarto pequeno por um homem completamente insano e doente. Não preciso dizer que é uma leitura pesada, principalmente por ser narrada pela vitima que vivenciou situações inimagináveis e inexplicáveis. Em alguns momentos, tinha vontade de abandonar a leitura por ser tão difícil de acreditar que isso realmente aconteceu com um ser humano, e principalmente por saber que isso acontece muito mais do que sabemos.

Ao passar dos anos que viveu com seu sequestrador, Natascha passava a conhecê-lo cada vez mais para entender como as atitudes poderiam o revoltar menos, para que assim, ela não apanhasse tanto. Porém, ela também se surpreendia pelos atos impulsivos e agressivos totalmente inesperados por situações minimas, ou seja, mesmo o conhecendo, ela nunca sabia o que esperar. Sem contar a relação que totalmente imparcial que se deu entre os dois, pois ao mesmo tempo que o sequestrador era um pesadelo, também era a única pessoa que Natascha teve contato por oito anos, e era ele quem a alimentava, quem a viu crescer, despertando em Nastacha a sensação de ter alguém, mesmo que muito ruim, junto a ela.

Foi tocante ao mesmo tempo que triste e arrebatador conhecer a história de Natascha, o que ela superou e ainda supera. É admirável presenciar a coragem da autora de descrever em páginas tudo que passou, detalhes que te farão chorar e desejar que aquilo que está lendo, seja apenas ficção. Uma mulher que através de suas palvras, encontrou a cura e representou a história de muitas vitimas conhecidas e desconhecidas.

8 comentários:

  1. Deve ser uma leitura bem pesada mesmo.
    Boa semana!

    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  2. Ola, tudo bem?
    Eu ja vi o filme e tenho muito interesse em ler esse livro! Sua resenha me deixou com mais vontade de ler, pois gosto desse tipo de leitura, apesar de ser pesado, ainda mais por ser a própria vitima a cota sua história! Adorei a resenha!
    Beijus

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem?

    Ainda não conhecia a obra e apenas de ler a sua resenha já fui acometida por uma sensação bem ruim. Deve ser uma leitura pesada, mas creio que acabe se tornando necessária. Ela foi muito corajosa ao narrar tudo pelo o que passou. Vai para a minha lista!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Acho que a primeira vez que ouvi sobre essa história foi no jornal. Lembro-me de quando noticiaram a fuga da moça e toda história do sequestro. Essa história sempre me impactou e tenho muita vontade de ler esse livro apesar de saber que é uma leitura bem pesada...

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Eu assisti ao filme na Netflix nem tem muito tempo.
    Não sabia que tinha o livro, se soubesse teria lido primeiro, mas de qualquer forma vou procurar ler, pq o livro deve constar muito mais informações que no filme mesmo sendo uma leitura tensa a coragem dela me emocionou demais e gostaria de saber tudo que ela pensava, coisa que o filme não mostra.
    Parabéns pela resenha. Bjs

    ResponderExcluir
  6. Olá,
    Tenho a impressão de já conhecer a história da Natascha, acredito que a leitura é de fato muito pesada. Narrar tais acontecimentos deve ter sido muito dolorido a ela. Sem dúvidas, ela é uma verdadeira guerreira e merece reconstruir a sua vida da melhor forma possível, mesmo sabendo que nunca irá esquecer desses terríveis oito anos.
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem?

    Eu não conhecia o livro e não sabia da existência de um filme, tudo isso é novidade para mim. Eu fiquei com a ligeira impressão de já ouvir falar ou conhecer a história da Natascha. Parabéns pela resenha, ficou muito boa.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  8. Olá! Realmente a Natascha foi bem corajosa em escrever tudo que passou num livro! É triste saber que historia assim se repetem com mais frequencia que gostariamos :/
    Eu não curto muito leituras pesadas, por essa razão passarei a dica, mas gosfei muito da resenha!

    Beijos,

    ResponderExcluir

LAYOUT E PROGRAMAÇÃO POR SHAIRA FOTO E DESIGN
imagem-logo