Resenha: Nós - Ievguêni Zamiátin

08:24

Sinopse: Nós é um romance distópico escrito entre 1920 e 1921 pelo escritor russo Yevgeny Zamyatin. A história narra as impressões de um cientista sobre o mundo em que vive, uma sociedade aparentemente perfeita mas opressora, e seus conflitos ao perceber as imperfeições dele, ao travar contato com um grupo opositor que luta contra o "Benfeitor", regente supremo da nação. O livro só adentrou legalmente a pátria-mãe do autor em 1988, com as políticas de abertura do regime soviético, devido à censura imperante no país.
*Livro cedido em parceria com a Editora Aleph para divulgação.




Nós de Ievguêni Zamiátin pode ser chamado de a distopia original, pois deu o ponto de partida para as grandes historia Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley e 1984 do incrível George Orwell. Nós foi publicado em 1924, numa época de crise, onde escritores estavam com pouco espaço e eram apagados pela grande guerra. Ievguêni Zamiátin sofreu para publicar seu livro, sendo alvo de criticas e ameaças pelos ideias que sua obra apresentava, chegou a enviar uma carta formal à Stalin, solicitando que seu livro fosse publicado em solo americano, tal carta se encontra presente nessa nova edição da Aleph, que também trás uma resenha do livro escrito pelo próprio George Orwell, o que lhe trás a sensação de como foi esse livro ter surgido em uma época tão caótica para se existir.

Nós conta, em forma de um diário, a vida de D-503, um numero como qualquer outro, um mero engenheiro que trabalha no mesmo horário que todos, almoça no mesmo horário que todos, dorme e acorda no mesmo horário que todos, em horário que são comandados pelo Grande e Poderoso Estado Único, a perfeita maquina de governo que trás a felicidade á todos, ou talvez não... esse questionamento chega a D-503 quando se depara com uma mulher, uma mulher que não age seguindo o sistema, ela o desafia e vive contra ele, algo que assusta D-503 e o fascina, pois ela não acreditava até então que alguém poderia ser feliz sendo livre, e que a felicidade só é alcançada pela perfeita matemática e pela falta do livre arbítrio.

Um livro fantástico que possui uma escrita simples mas rebuscada, narrado em primeira pessoa e tem como titulo dos capítulos (ao qual são chamados Anotações) pequenos resumos do capitulo, com partes chaves e pequenos textos que virão a se destacar no capitulo ao qual será lido. Não posso deixar de falar da arte da capa e a cor das paginas. Não só eu me apaixonei pelo livro mas também todos para quem mostrei. A capa e as páginas são avermelhadas, algo que me faz não querer para de olhar para o livro, pois é belo. Algo que mesmo que você não leia, irá querer ter em sua estante, e te garanto, será um acréscimo e tanto para qualquer coleção de livros, ainda mais para aqueles que querem uma historia totalmente diferente de qualquer uma já feita até então, algo original.

Admito que o livro não é perfeito, certas partes foram chatas e complicadas de se manter a atenção, mas duraram pouco. Logo o livro voltou a ganhar minha total atenção. Talvez ele tenha mais pontos chatos para outras pessoas, pelo personagem principal ser um engenheiro fascinado pela matemática, muitas vezes se utiliza de linguagem algébrica para expressar seus sentimentos e pensamentos, mas garanto que a compreensão é simples e não irá atrapalhar.

Minha experiência foi ótima, o personagem principal não me cativou e acho que esse foi o ponto chave do livro, não o li como se fosse um conhecido do personagem, e sim como se fosse um leitor que achou suas anotações por ai e começou a folheá-las. Isso tornou o livro mais imersivo, pois é como ele é escrito, anotações para uma outra pessoa ler.

Essa impessoalidade com o escritor, foi por causa dele simplesmente não expressar emoções em sua escrita, pois no Grande Estado Único em que vive, emoções são doenças que apenas atrapalham e abaixam seu desempenho no trabalho, e o jeito como esse povo fictício vive intriga o leitor, como conseguem achar aquilo normal, como aceitam que o sistema dite tudo o que devem fazer, como devem e que horas deve fazer? Foi a resposta para essa pergunta que me manteve com o rosto grudado no livro por dias, e quando consegui essa resposta... leiam o livro.

Poderá gostar também de

12 comentários

  1. Olá!!
    Sou grande fã de distopias e, infelizmente, nunca tinha ouvido falar dessa! Estou chocada por ela ser a primeira distopia e eu não conhecê-la! Com certeza vou ler, nossa, vou procurar agora por ela, obrigada pela dica!! =D

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Quando eu li "(...) engenheiro fascinado pela matemática, muitas vezes se utiliza de linguagem algébrica para expressar seus sentimentos e pensamentos (...)" eu pensei: EU PRECISO DESSE LIVRO.
    Parabéns pela resenha, muito boa!

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem?
    Apesar de ser um gênero que não leio muito, fiquei bem curiosa sobre a obra, então já anotei aqui e espero ler em breve.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Oiii, poxa que bacana. Não conhecia o livro e adorei saber que foi o precursor do gênero distopia e com certeza deve ter influenciado muitos escritores.
    Gostei muito da premissa, apesar de não ser muito fã de escrita em primeira pessoa. De forma geral, é um livro que gostaria muito de ler. Bjs

    ResponderExcluir
  5. Bom dia tudo bem? Eu não conhecia esse livro, nem o autor mas amei a trama, nem vou falar sobre o gênero pois esse é o meu favorito!

    ResponderExcluir
  6. Oii Larry, tudo bem?
    Fiquei bastante interessada em ler esse livro, principalmente por ser uma distopia e abordar assuntos assim, que muitas vezes afligem a nossa sociedade, toda essa disputa, me deixou bastante interessada.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  7. Eu conheço esse livro, mais uma obra maravilhosa que a editora lança, estou louca para comprar meu exemplar.

    ResponderExcluir
  8. Oi Larry,
    Essa edição da Aleph é mesmo primorosa. Não comprei o livro ainda, mas pretendo tê-lo na minha estante. O fato de ser um precursor das distopias também me deixa bem curioso. Como o livro é de 1921 e escrito por um autor russo, esperava um texto mais denso. Bom saber que não é assim.
    Abraços,
    André || Garotos Perdidos

    ResponderExcluir
  9. Ooi!
    A edição ti livro tá bem bonita!
    Gostei muito da uma resenha super bem feita!
    Me deixou com muita vontade de ler ahhaahha!
    Beijos 😘

    ResponderExcluir
  10. Oi!
    Me sinto uma falsa amante das distopias por não ter lido ainda esse livro, já que amo o gênero haha. A edição ficou linda e a sua resenha foi bastante clara quanto ao que devemos esperar da obra que me interessou muito, mesmo com as partes mais chatas da narrativa.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Oi!!
    A capa do livro não chamou a minha atenção.
    Eu gosto de distopias e achei interessante conhecer esse livro.
    Vou anotar o nome para colocar na minha lista, por ser o precursor de distopias conhecidas ele tem que estar na minha estante.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  12. O livro parece muito bom, mas acho que a leitura dele não ia desenvolver comigo. Provavelmente ele tem um ritmo mais lento e no momento eu preciso de algo mais ágil.
    www.belapsicose.com

    ResponderExcluir

Seguidores no G+

FANPAGE

Veja também